APLB greve dos professores
















A APLB-Sindicato tem 60 anos de muita batalha em defesa do ensino público, 

gratuito e de qualidade. Desde sua origem, em 24 de abril de 1952,

 quando onze professores licenciados assinaram a ata da histórica sessão, a entidade só fez lutar pela categoria.            



    O Colégio Estadual Coronel Horácio de Mattos (localizado em Piatã-BA), também entra em greve ao perceber que os municípios vizinho, estavam em greve. Por que em todo Brasil em 11/2011, ficou o prometido um aumento  de 22% do salario, porém neste ano na Bahia, não foi efetuado a promessa e sim os professores sofreram com o abaixo do salario. Não sabemos mais informações sobre, caso algo errado neste texto acima nos informe.

                                                                            Mais Informações encontrada em outros portais:
                       Governo Wagner quer mas não pode descontar salário de trabalhador em consequência da greve.

    O ministro do Supremo Tribunal Federal José Antonio Dias Toffoli concedeu liminar na Reclamação (RCL) 13626, determinando ao Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJ-MG) que se abstenha de efetuar qualquer desconto incidente sobre a remuneração dos seus servidores em virtude de paralisações realizadas pela categoria no dia 17 de novembro, bem como no período de 23 de novembro a 14 de dezembro do ano passado.
   A decisão foi tomada após a análise do pedido feito na reclamação pelo Sindicato dos Servidores da Justiça de Segunda Instância do Estado de Minas Gerais (SINJUS-MG). Na RCL, o órgão representativo da categoria alega afronta à autoridade do STF e à eficácia de decisões da Suprema Corte no julgamento dos Mandados de Injunção (MIs) 670, 708 e 712, em que se estabeleceu norma provisória para o exercício do direito de greve por servidores públicos.
   O ministro lembrou que o SINJUS-MG requereu administrativamente a possibilidade de fixação de calendário para que os grevistas repusessem os dias parados em razão da greve, mas que o pedido foi indeferido pelo TJ. Ademais, segundo ele, “é inequívoco o perigo da demora, haja vista a aproximação da data de fechamento da folha de salários do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, o que torna iminente a substancial dedução determinada sobre a remuneração dos servidores que aderiram à greve, em valor correspondente a 23 dias de trabalho”.

                               Criticas ao APLB:
Se o governo do estado não pode pagar os 22,2% , então que sentido faz continuar com as obras da Copa? Apesar da APLB divulgar que não pode cortar os salários, estes já foram cortados, o que fará a esse respeito? A greve continua, o movimento está forte e mto consciente. Porém, se faz importante o momento para cobrar: 1. condições adequadas de trabalho nas escolas; 2.recursos humanos e materiais para educar aos nossos alunos com + qualidade; 3. diminuição da carga horária de trabalho de 28 aulas para (pelo menos) 22aulas semanais para que o profº possa ter qualidade de vida;4. ampliação e atendimento adequado à saúde dos profissionais da sala de aula. São alguns exemplos de uma luta que já é longa e histórica,mas que precisa continuar. Continuemos nossa jornada à vitória! Saudações a quem tem coragem!                                            Comentário achado em:http://www.aplbsindicato.org.br



                                        Fonte:APLB Sindicato

                                                                                  www.curtapiata.com

                                                                                         Curta Piatã


                                                 

0 comentários:

Postar um comentário